Porque as emoções são tão importantes em Harry Potter

0 Comments
Em Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban, temos um insight da aptidão de Harry para magia avançada quando ele aprende o Patrono. E como o tema do Clube do Livro do Pottermore dessa semana é Talento, daremos uma olhada em como a força emocional de Harry impacta suas habilidades...

Texto: Pottermore | Tradução: Clara Monnerat
..."Devo lhe avisar, Harry, que o feitiço possa ser difícil demais para você. Muitos bruxos altamente qualificados tem dificuldade com ele."

O Professor Lupin avisa Harry antes de demonstrar como lançar um Patrono. Isso é magia bem mais avançada do que Harry, que ainda está a dois anos de distância de seus NOMs (Níveis Ordinários de Magia) espera aprender.

Mas é claro que Harry provavelmente nunca seguiria o programa de estudos de Hogwarts. Ele está passando por uma experiência tão extraordinária que exige mais dele do que de qualquer outro bruxo de 13 anos. E Harry é extraordinário não apenas porque inexplicavelmente defendeu Voldemort quando ainda era bebê e lutou com ele quando era um garoto em idade escolar. Ele também é extraordinário em como foi moldado por essas experiências.

Harry quer lançar um Patrono por causa da maneira que os Dementadores - criaturas descritas por Lupin como as mais sujas a vagar pela Terra, sugando toda a alegria e a felicidade dos humanos que cruzam seu caminho - o fazem sentir. Embora todo mundo sofra ao encontrar um Dementador, a miséria de Harry é o suficiente para fazê-lo desmaiar. Quando ele cai de sua vassoura durante uma partida de Quadribol, fica claro que sua reação emocional é bem intensa.

O que é compreensível. Estar perto de um Dementador força uma pessoa a reviver seus piores momentos, então não é de surpreender que Harry, ao ouvir os momentos finais de vida dos seus pais toda vez que um chega perto dele, é afetado. Exceto que os Dementadores não o jogam no desespero. Em sua determinação para lutar contra eles, Harry descobre um talento para umas das magias defensivas mais desafiadoras: o Patrono.


As lições de Patrono de Harry são longas e cansativas. Toda vez que ele encontra o Bicho-Papão Dementador, ele ouve sua mãe sendo assassinada e as tentativas de seu pai de salvar a vida de sua mulher e de seu filho. Embora esse seja um evento bem traumático, para Harry também é uma rara oportunidade de ouvir as vozes de seus pais. Seu caloroso desejo de ouvi-los falar torna o processo de conjurar um Patrono ainda mais difícil, algo que Lupin descreve como:

"... um tipo de energia positiva, uma projeção das coisas que o Dementador se alimenta- esperança, felicidade, o desejo de sobreviver..."

Para conseguir conjurar o Patrono corpóreo - isso é, uma personificação sólida que pode derrubar Dementadores - você tem que pensar em uma memória feliz e gritar "Expecto Patronum". Harry consegue criar algo que se aproxima de um Patrono que só dura por alguns segundos mas é um tentativa falha. Mas ele não fica desencorajado. Exausto e tentado a ouvir seus pais novamente, Harry tenta dominar o feitiço, retornando várias vezes para praticar com o Bicho-Papão Dementador.

Essa determinação é algo que o garoto já mostrou anteriormente. Em A pedra filosofal, ele se aventurou a procurar a Pedra antes de qualquer outra pessoa, juntamente com Rony e Hermione logo após ter se posicionado sobre a importância de lutar contra Voldemort. Em sua motivação para lutar contra os Dementadores, ele também mostra uma resiliência emocional de longa data.

Harry admite sua vontade de ouvir as vozes de seus pais apesar do impacto que tem nele - ele chora quando ouve seu pai pela primeira vez. Em A pedra filosofal, Dumbledore disse a Harry sobre sua mãe:

"...ter sido amado tão profundamente, mesmo quando a pessoa que nos amou já se foi, nos dará alguma proteção para sempre. Está na sua própria pele."


Ao ouvir os momentos finais de seus pais, Harry começa a compreender a magnitude do sacrifício deles e da sua perda. Mas ele também está tendo uma prova do amor deles por ele, um amor que só tinha ouvido falar sobre. Isso em si se torna uma motivação - primeiro por enfrentar os Dementadores e mais tarde, por tê-los defendido. Porque enquanto Harry se deleita na oportunidade de ouvir as vozes de seus pais, ele também reconhece que é um desejo que não irá ajudá-lo.

"Eles estão mortos, disse firmemente para si mesmo. Mortos e ouvir ecos não os trará de volta."
Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban

Seja proposital ou não, o conselho de Harry para si mesmo ecoa as palavras de Dumbledore depois dele ter desenvolvido uma fixação em ver sua família no Espelho de Ojesed:

"Não faz bem viver sonhando e se esquecer de viver."
Harry Potter e a Pedra Filosofal

O desejo de Harry em ouvir seus pais é uma humana perfeitamente compreensível quando você leva em conta que ele tem apenas 13 anos e viveu sem aquelas vozes desde que era uma criança. Por outro lado, ao reconhecer que esse desejo pode atrapalhá-lo, Harry mostra ser muito mais maduro do que sua idade.


Harry pode ter um talento para magia defensiva- ele já derrotou Voldemort, além de tudo- mas isso é o que capacita de desenvolver seus talentos. Se apegar a uma memória feliz no momento mais desesperador é um desafio que Lupin insinua que está além de muitos adultos mas é um desafio que a vida de Harry o preparou.A negligência não o tornou amargo- pelo contrário, desde que chegou a Hogwarts, Harry aproveitou cada oportunidade para se divertir e tem se recusado a se ressentir de sua vida com os Dursley. Apesar de todas as boas memórias que ele usa para conjurar seus Patronos sejam tiradas de seus anos de convivência bruxa, ter a força de conjurar o feitiço mesmo nas circunstâncias mais desesperadoras-como quando ele produz um Patrono corpóreo depois de ver o que ele acha que era seu pai- é uma consequência de sua infância e determinação não sucumbem ao desespero.

E também porque tem bem mais do que um motivo para o sucesso, superar o desespero não era a única razão de Harry par aprender a conjurar um Patrono. Ele também era motivado por outros impulsos naturais-vergonha, após ter caído da vassoura e ambição, porque ele realmente quer ganhar a Copa das Casas.  O que fica claro, portanto, é que a habilidade de Harry de lançar um Patrono requer bem mais do que talento. É necessário uma grande quantidade de determinação e uma grande força emocional.


Para se juntar ao Clube do Livro do Pottermore, clique aqui

Você também pode entrar na discussão do Twitter .


Tecnologia do Blogger.